Rede da Memória Virtual Brasileira é um projeto tanto ambicioso quanto inédito. Primeiro, a saudável ambição de automatizar e disponibilizar no ciberespaço os acervos de todas as instituições nacionais que disponham de um patrimônio visual ou textual. Se a preservação física de um bem simbólico já assegura a permanência intergeracional de um traço valioso numa cultura consolidada, a memória digital acrescenta a promessa de ampliação do acesso a esse bem. É, por isto, um artefato poderoso de democratização do olhar e do conhecimento.

Com iniciativas desta natureza, a Fundação Biblioteca Nacional ratifica o seu lugar de guardiã do patrimônio bibliográfico e documental do país,  não porém como uma depositária estanque e imóvel, e sim como um  verdadeiro dispositivo cultural, na acepção radical da palavra “dispositivo”: instrumentalizar e pôr à disposição. Para tanto, é preciso atentar para o que a existência põe diante de nós em termos de realizações simbólicas e técnicas. São essas realizações que as instituições costumam catalogar como “acervos” e que, agora, por milagre da rede eletrônica, podem dispor-se ao acesso universal.

A FBN não concebe “cultura nacional” como um conjunto romântico de bens, mas como percepção coletiva e integrada da soberania de pensamento do povo. Esta é, no limite, a orientação político-cultural da

Rede da Memória Virtual Brasileira

E isto faz dela um projeto também inédito.

Visita il sito

 


 

A proposito dell'autore

Laureata all’Università Ca’ Foscari di Venezia in Storia e in Archivistica e biblioteconomia, si interessa di ricerca e valutazione delle risorse web per gli Studi Storici, progettazione e promozione della conoscenza storica attraverso le nuove tecnologie.

Post correlati

Scrivi

La tua email non sarà pubblicata